quinta-feira, 29 de março de 2012

singular

cedo céu de corpo nu
  seu azul me faz primata
pro delírio um gole d’agua
minha sede é primavera
fome expressa no querer
a me transfundir doo arte
colho pedras ardo temporal
em silêncio gero amor
sal viver sol singular

0 comentários:

Postar um comentário