segunda-feira, 30 de abril de 2012

delírio



a única certeza que a poesia me dá
é a dos meus intensos delírios
no descomedido prazer das incertezas

0 comentários:

Postar um comentário