quarta-feira, 24 de julho de 2013

desassossego


hoje a minha sensação é  de solidão cronológica
sofro sozinho num estar só entre parênteses
consciente de que como eu muitos outros
carregam o fardo dessa majoritária angustia imposta
em fragmentos calculados  para o cotidiano banal
sinto-me pequeno na redução de um passado a zeros
e, ao mesmo tempo de ser e estar convicto
desses meus mais desesperados anseios
sinto os meus pés perdidos do afinco chão
na insegura certeza de não haver mudança nesse jogo
de cartas que sempre estão viciosamente marcadas
brotam na sombra das mangueiras aos bandos de ases
numa corrente arrastada por não suportar o peso
e diante do espelho mofado se refletem em inercia,
em falência,  ausência momentânea de sentido
hoje sofro porque nem a minha própria arrogância
consegue se livrar desse pobre sentimento
de humildade, rechaçado dos direitos de nada
prostro-me ainda que num só joelho ao chão
mas, não por reverência e sim por uma inclinação vil
incapaz de ser capaz de qualquer explicação plausível
desse meu rir ou chorar do nada ao inoperante tudo
ainda que meu nadar não seja o tão somente vazio
para esse todo que se diz semente para todos
para esse soar descarado abraço de fácil conspiração
hoje as minhas perspectivas subtraem amizades
a cada amigo que perco ainda mesmo que de vista
nessas tristes distancias que pouco sei mensurar
diante dessa minha cegueira momentânea
desse meu lapso de fala sem adereços de memoria
sinto-me como selo usado desnudo do meu nu
pela vestimenta de um carimbado discurso de maioria
na prepotência de uma comunicação quartelada
e por mais que os patronos aos poucos sejam desmascarados
nenhum esboço é traçado para o retrato de reconhecimento
seja por causas-dolos nos usos das redes de tramoias
ou pelo holocausto da apropriação indevida de almas...
hoje me sinto oco diante dessa loucura pejorativa
falta-me qualquer recursos para a tal insana dignidade
dos que ousam bradar suas cínicas reputações ilibadas
sinto-me esquartejado a essa indumentária de cordeiro
que de deus espero tão somente ser filho
e não blasfemar com meu desassossego em quem amo... 

0 comentários:

Postar um comentário