quinta-feira, 27 de maio de 2010

tão

abraço a meu amigo e parceiro joão marcus


à primeira vista à primeira mão
tudo tão assim tudo tão
à primeira vista à primeira mão
no amor não mora razão

o amor namora
espalhe semente
deixa o amor emaranhar
nunca me estranhe
nunca me esqueça
nunca me diga não
teça um poema
me guarde num ninho de mão
e assim como grãos de cordéis
morro nascendo aos teus pés

2 comentários:

Suzana Martins disse...

No seu poema quero viver,
assim, apaixonada
assim, em teu ser!
Quero ser estrofe sem rima,
quero ser a poesia,
quero ser a sua maestria.
Assim tão, tão..
Me encontro com o seu coração!!

Querido amigo Arrumador de Palavras, sempre me encantando com seus versos!!^^

Beijos no coração!

Luzenice disse...

Amor meu,

Passei por aqui saudosa... pra me revigorar.
Em breve chego de volta ao ninho.
Curioso e arrebatador ver os filhotes que vimos nascendo, acalentamos, ganhar o mundo...
Ser mãe deve ser algo assim... TÃO... inexplicável emoção.
te amo do raso ao fundo!

Postar um comentário