sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

estórias de um pé de natal


eu nunca fui das esperas, tinha e ainda tenho a amarga facilidade de me remeter às longas filas aos chatos sistemas de atendimentos que se dizem modernos; às ante-salas com suas mesmas revistas fora dos prazos das veracidades; à solidão do cais tanto pra quem fica, quanto pra quem não o leva e apenas parte etc., contudo aprendi a esperar porque sempre fui um aprendiz dos sentimentos, fiz com minhas esperas de criança com ou sem vésperas uma invisível amizade com a esperança, um trato de boca em duas partes, uma de ser feliz e outra de ser intensamente feliz. desde então com giz passei a escrever a minha felicidade. como alardeio aos quatro cantos, sou filho do tempo, em pleno modo real movido pela lógica dos tolos, que ainda mora dentro de mim, mas que faço questão de desaprendê-la ao mesmo passo em que aprendo os sábios princípios poéticos do tempo do além, e nesse só entram os predestinados conversadores em seus mágicos assuntos repletos de sonhos. hoje a atmosfera é da graça pela graça. eu venho em meu refinado passo, como todo singelo aprendiz do mundo das conversas fiadas repletas de todas as coisas que compreendem a existência e, principalmente, de coisa nenhuma, do universo faz de conta de um reino do além muito distante, muito mais distante da matéria física, que se baseia apenas pela certeza de que o mais certo é sempre algo que nós... ah! deixa pra lá! vamos nos enfiar no outro que é perto demais das noites de vagas-pirilampos com segredos descobertos pelas sete chaves das portas encantadas de abracadabra, pela proteção das fadas madrinhas em seus toques de condão, em meio aos anjos de guarda eterna criança, dos duendes em escutas camufladas pela floresta dos seres desacordados do sr. noel.

- era uma vez uma linda menina com seu entusiasmado, ávido olhar...
- era uma vez um amador lírico e poético arrumador de palavras em sua giração...

feliz natal de arte pela arte a todos

que o mundo possa prosperar esperança/ que a gente possa/ sempre brincar de ser criança/ que o céu seja sempre azul/ que cada pedido seja uma estrela/ pra terra ser mais feliz/ que a gente plante e colha natureza/ sonhar é bom/ mas que o sonho seja realidade/ se é dezembro vamos brindar/ se é dezembro vamos dar as mãos/ e plantar juntos um pé de natal

2 comentários:

Suzana Martins disse...

Meu tão amigo Arrumador de Palavras, eu confesso que não sei arrumar palavras que contenham mensagens de natal, não sou boa nisso, mas deixo aqui o meu carinho e o meu abraço pra vc...

Feliz Naaaatal!!!!!!

Muitos beeijos para vc e sua família

Dani Sgorlon disse...

Um Natal abençoado e Feliz...

Cheio de lindas palavras arrumadas por ti...
Beijos

Postar um comentário