sábado, 19 de março de 2011

pé de poesia


não sei se me cabe ser poeta,
tão pouco sei se há regras para sê-lo
mas, algo singular toma forma em mim
de minha mão brota todo pé de poesia

2 comentários:

Suzana Martins disse...

Das suas mãos, meu tão amigo, brotam belas palavras que encantam a alma. Das suas mãos brotam palavras arrumadas direto pro meu coração!!!!!!

Beijos

Guilherme disse...

Se não couber a você ser poeta, não caberá a ninguém mais seguir seu próprio metiê.
O brilho em seus olhos quando você escreve, lê, relê, compartilha, isso não se vê nos olhos de qualquer um.
Se isso não faz de você cabível para ser poeta, eu renuncio num gesto de solidarieddade ao meu título de aprendiz dos aprendizados da tecnolingustação.
Bjo no coração!

Postar um comentário