segunda-feira, 23 de abril de 2012

no desarrumamento

achei um cantinho do mais desdobrado em mim
de velhas novidades nos desarrumados sem rimas
da organização de meu filho e meu pai guilherme
naquele momento fiz de todo meu pra não dormir
seu recanto um tanto amassado pelas dobraduras
foi... uns instantes de tanta inspiração para poesia
que até esqueci de deixar crescer os dentes de leite
e passei a tomar café de hora sem horas na girada
onde o ponteiro passava relando trisca da pestana
e a cada minuto queimava a língua pra todo gosto
num frio daquilo que nem muito expressava mais
então me veio a meio rompante profundo sem dizer
que nem tanto se fez, nesse cidade dos zela mentos
contudo derramou um franco saudoso selo abraço
refeito pelo expresso da ultima visita tão próxima

1 comentários:

Guilherme disse...

Finalmente passei por aqui para reler sobre o meu desarrumamento haha
Falta agora eu mandar fotos para provar que não anda mais tão desarrumado assim...
Obrigado pela visita e pela homenagem!
Te amo, pai.

Postar um comentário