quinta-feira, 29 de novembro de 2012

aos sorrateiros


  
em quantos copos cabem um corpo?
se o trago de sangue rende um lado de morte
enquanto a vida medíocre é mapeada
toda arte apoderada
esvazia o temporal d’alma
assim como o poder se ajoelha ao tempo
feito solidão em cifras farpadas
a recortar a dilacerada farsa irônica
revestida em carne podre
que até mesmo os abutres rejeitam
só o ermo serve de descanso ao pus
nessa insistência em fazer moradia no alheio
qual noção cala uma nação sem oriente?
se o marca-passo é servente da imposição
se é pra ferreiro de passar,
prefiro a gula de matar a fome...

1 comentários:

FRANCIMARY disse...

Hummmm...tava inspirado à la Álvares de Azevedo?

Postar um comentário