sábado, 9 de junho de 2012

angustiado



eu precisava escutar aquela canção de belchior
e dividir com ela a minha sensação de angustia
abrir o peito pra ilusão dos idealistas
e deixar que o tempo
seja a solução do mal irremediável
eu precisava ir além de uma dissertação do poeta mário
e me inclinar com ele reverentemente diante do errado
estender a mão no vão dos miseráveis
e achar que vem em dobro
quando a muito tempo não mostra nada
quem me dera! quem me dera que uma flor
me mostrasse o amor em nome da arte ou do coração
e retornasse em qualquer cor qualquer teor
que justifique em mim a existência do dragão
quem me dera que voz de um cantor
cruzasse as cordas do meu violão
e invadisse qualquer pôr
qualquer plano identificador
da atmosfera livre da minha canção
mas é contraditório é tudo muito certo
e por ser tão certo desejo estar errado
quem me dera que o seu amor
não me deixasse um pôr de sol
só a meia luz angustiado...

0 comentários:

Postar um comentário