segunda-feira, 10 de agosto de 2015

sobre a magia


                                                                                  
sigo entre os detalhes da simplicidade inexplicável
num emerso afloramento a descortinar retinas
feito o desnudar de labirintos das digitais
que faz suar minhas mãos a tecer linhas à fio
trama sobre trama no unir versos às letras
de um herdado relicário de guardar saudades
no arrebatador desejo de inclinar os cotovelos
debruçando-me numa janela qualquer do tempo
como se quisesse rever o que tão meio despercebido
deixei inebriado num rincão a espera de melodias
ou quiçá fosse um aguardar de anoitecer horas
para brincar com a pulsação de imaginar estórias
dessas que disparam desgovernados corações
pelos mesmos caminhos consecutivas vezes
para que os esquecimentos fluam nas lembranças
no contínuo regenerar das imprescindíveis mutações
devo confessar aos ouvidos que se deixam escutar
que o aprendizado de rabiscar tinta às palavras
é magia que não carece diagnósticos “embulados”
saber sentir o fascínio das recriações alheias
é exercício para todos os encantos de sabedoria
feito coisa de fitar a giração dos pensamentos
de saber abrir portas para o que se revela novo
uma difícil arte de fácil e esmero revestimento
muitas vezes ação íntima da recreação juvenil
um dia hei de aprender o raso dos ensinamentos
para emaranhar a estação das tantas novidades
como um regador a descondensar chuvas de poesia
no aconchego maduro de minhas raízes grisalhas
e ainda que os temporais me encharquem as rugas
seguirei a dar voltas nas estancias de refazer vidas
de reconstruir amigos, de consolidar diálogos
acreditando que as nossas diferenças
são apenas atração instintual dos opostos
nessa feliz necessidade de romper monólogos
que servem de sangradouros para individualismos
sem acrescentar rastro de sonhos conjuntos
só vamos conseguir enxergar o mundo pelo todo
se soubermos aos poucos reconhecer a humanidade
não sei ao certo por onde dançará cada passo meu
mas, sei onde e entre poesias, a dança dará
seu doce jovial ar de graça...

0 comentários:

Postar um comentário